31 de mar de 2010

Mais um pouco de Big Brother

Paola Guaraná

Admito que até algumas horas atrás eu não tinha a menor ideia do que escrever aqui, e que jeito melhor de procurar inspiração do que ligar o computador e procurar na internet algum assunto bastante comentado? Que inocência a minha. Por um minuto, e só por um minuto, esqueci dos 154.878.460 votos que Pedro Bial tanto se orgulhou ontem. E olha que justamente por causa da final do BBB 10 eu quase perdi a hora hoje de manhã, fui para a faculdade dormindo no banco de trás do carro e até esqueci que hoje era meu dia de postar aqui. Troquei o "bom dia" por "Ele ganhou!" e defendi o Dourado com unhas e dentes. Ainda assim é possível acreditar que nem passou pela minha cabeça escrever sobre isso aqui? Mas tudo bem, como eu já disse, o assunto que eu tinha esquecido (só por um minuto) foi jogado na minha cara a cada site diferente que eu abria! UOL, Terra, Folha Online, Globo (óbvio), e outros jornais de Estados diferentes. Sem contar o espaço especial que alguns desses sites dedicam ao programa. (UOL e Terra)

Confesso que no inicio fiquei um pouco em duvida se era algo que valia um post, mas se a Folha Online pode, acho que eu também posso. É inegável a popularidade do programa. Até acredito que algumas pessoas não gostem e não acompanhem o programa, mas daí até não conseguir reconhecer o Dourado e alguns outros participantes marcantes... Para conhecê-los não era necessário assistir o reality show, eles estavam expostos em outros diversos meios.

Caso ainda não tenham notado, esse assunto me confunde um pouco, ao mesmo tempo que a popularidade e divulgação do programação são indiscutíveis, aos meus olhos, sua inutilidade também é. De fato é um programa que não acrescenta em nada (a não ser a conta bancaria dos participantes, principalmente do ganhador), mas que faz uma comoção de milhares de pessoas para escolher o novo milionário do Brasil. E então começa a discussão que a televisão brasileira precisa de mais conteúdo e mais cultura, mas quando o povo da uma audiência tão grande para programas como esse, gasta o tempo votando (Deborah Secco no caso, votou mais de 3.000 vezes!!), e divulga sobre o assunto em sérios e grandes meios de comunicação porque tem publico para isso, acredito que a população saiba exatamente o tipo de programação que quer.






Finalistas do BBB 10

30 de mar de 2010

Não tem problema, a propaganda resolve!

Gabriela Baldan
Hoje assisti a uma ótima aula sobre a crise da Bolsa de Nova York em 1929. O professor discorria sobre o contexto histórico da década de 20, mais especificamente sobre a indústria da propaganda. Neste período em que a propaganda representava 2% do PIB dos Estados Unidos, o objetivo era fazer a pessoa acreditar que não poderia viver sem aquilo que estava sendo vendido. Aos homens, disse o professor, eram propagandeados principalmente carros e cigarro. Às mulheres, cosméticos e roupas.

Foi quando ele apresentou uma ideia que me fez pensar. O professor disse o seguinte: naquele tempo o cigarro emprestava ao fumante uma imagem viril, de masculinidade. Hoje, porém, a onda “saúde” e “verde” que surfamos diz que fumar faz mal à saúde e então são estampadas nas embalagens de cigarro imagens de consequências do fumo; uma das mais evitadas é a da impotência sexual. A imagem que o produto empresta ao consumidor se inverteu!

Seguindo esse raciocínio, hoje os automóveis são um dos grandes vilões contra o meio ambiente devido à alta taxa de emissão de CO2 na atmosfera. Não são mais as máquinas revolucionárias que substituíram os cavalos.

O plástico encanta com sua praticidade e leveza, porém é o material que mais polui oceanos. Mas alguém vai deixar de comprar ou fazer plástico por que ele polui? Alguém vai deixar de comprar um artigo de marca só por que sabe que foi produzido em regime de quase escravidão?

Então surgem as alternativas: a reciclagem, os carros movidos a álcool, e adesivos de nicotina, e denúncias. E isso é pura propaganda de novo! E a maior vitória da propaganda é que ela gera mais propaganda. Nem se sabe da existência de alguma coisa até que a propaganda aconteça e aquilo passa a ser essencial. Essencialidade sempre reforçada por mais propaganda.

29 de mar de 2010

Ringtone terapêutico

Raphael Victorino

Esse pessoal de olhinho puxado viu! O Japão está na frente do resto do mundo em tecnologia para telefones celulares. No país, é comum ter canais de TV disponíveis no aparelho e em várias lojas pode-se pagar por mercadorias simplesmente passando o fone sobre um sensor. Mas a última moda entre japoneses é ter o telefone tocando sons que possuam um efeito supostamente terapêutico. Com a aproximação da primavera, muita gente que sofre de rinite alérgica se vê incomodada pela quantidade de pólen solta no ar e uma companhia está prometendo um som que alivia os sintomas. A Japan Ringing Tone Laboratory diz que basta esperar uma chamada no celular e segurar o aparelho sob as narinas. Supostamente, isso fará com que o pólen se desprenda, trazendo alívio. Pois é, só nos faltava mais essa.



28 de mar de 2010

Está tudo errado!

Angela Sanchez

O grande assunto desta semana que passou, tanto nos veículos de comunicação, como na internet e nas conversas de pessoas por todo o Brasil e principalmente em São Paulo foi o julgamento do caso Nardoni. Não vou falar aqui sobre quem é culpado ou não e nem sobre o caso em si, isso já foi discutido o bastante.
Agora, usando como referência toda a manisfestação tanto midiática como popular que aconteceu em torno deste caso abre-se margem para se discutir o que é importante para os braseileiros. Foi incrível ver o tamanho da comoção em torno dete caso. Não entendo porque este, em particular, foi tão polêmico, sendo que na mesma época da morte de Isabella, aconteceram outros casos parecidos sobre os quais ninguém mais fala.
Mas pensar que toda essa comoção não trará frutos ao país é muito triste. A reação da população a este caso era uma oportunidade incrível, para tentar mudar a realidade diária de muitas crianças brasileiras, vítimas de violência e abusos. Se as pessoas se empenhassem tão entusiasmadamente em manifestações que buscassem uma alteração legislativa sobre a proteção de crianças, ou então na fiscalização de órgãos públicos sobre isso; por exemplo seria um esforço popular muito mais eficaz e com reais resultados.
A própria mídia poderia ter aproveitado esta chance, para levar a discussão além da cobertura do caso. Era um momento ideal para abrir um espaço de debate e reflexão sobre a violência e os abusos contra menores no Brasil e assim tentar especular sobre possíveis soluções.
Uma das coisas que falta no Brasil para que a realidade do brasileiro possa ser um pouco melhor é saber aproveitar situações como esta, não deixando que ela se torne apenas uma notícia polêmica na mídia e possa orginar debates sobre como evitar que outros casos similares continuem a fazer parte da nossa realidade diária. Essas coberturas deviam servir de exemplo para o que deve ser mudado no país e em nossas leis e não apenas exemplo do tipo de notícia que dá maior audiência ao veículo de comunicação.

25 de mar de 2010

Será que um choro resolve?


Gabriella Vareschi de Rosa



Hoje dia 25 de Março, depois de dois anos do acontecimento do caso da menina Isabella, seu pai Alexandre Nardoni e sua madrasta Ana Carolina Jatobá resolveram derrubar lágrimas para assim quem sabe comover o País.
Todos nós queríamos não acreditar que esse fato aconteceu, ou pelo menos que um pai não teria coragem de fazer isso com sua própria filha, mas a única solução que nos dá é que realmente não existiu uma terceira pessoa, e eles são os culpados.
Pessoas loucas e psicopatas estão em todos os lugares. Elas nos causam medo, nos causam dó. Mas até onde será que vai a coragem de um ser cometer um tipo de coisa dessas? O que deve ter passado na cabeça desse casal em cometer esse crime?
Nardoni,um cara submisso a esposa, fraco intelectualmente. Com certeza entrou em curto circuito diante da possibilidade de ser incriminado pelo espancamento de Isabella e com requintes de crueldade, atirou a própria filha pela janela. Um vídeo demonstra que horas antes a família estava reunida e bem.Durante todo esse processo, ele se demonstrou frio,que é uma das características do psicopata:ausência de culpa- não se arrepende e nem tem dor na consciência. Tem certeza que nunca erra.
Nessa tarde, Alexandre Nardoni o autor do crime, conseguiu chorar três vezes ao falar do acontecimento com sua filha, o que acabou sensibilizando os júris.
Mas olhem que coisa, hoje, bem hoje, o pai e a madrasta resolveram chorar, juntos... Mera coincidência né?
Uns dizem que o choro do pai não possui lágrimas e sim apenas uma encenação, de uma pessoa vazia e fria.
É um caso um tanto polêmico, que deixam as pessoas confusas sem saber o que pensar, mas no fundo todos sabem realmente a verdade, e por mais que haja choros, provas incertas como de ter uma terceira pessoa, não tem volta e muito menos desculpas. Tem que ter justiça e eles serem punidos até o final.
Se não quantos casos desse tipo vão ter que acontecer para ter justiça nesse País?

24 de mar de 2010

O custo para consumir

Paola Guaraná

Que delícia! Voltei há pouco de um passeio com a minha amiga, e além do óbvio como jogar conversa fora, ver vitrines e comer besteiras, algo em especial me fez ganhar a tarde: não gastar absolutamente nada com o estacionamento do shopping. Isso mesmo, fomos a dois e não pagamos nada por deixar o carro no estacionamento.
Convenhamos, há pouquíssimas coisas tão irritantes quanto gastar mais de 10 reais no estacionamento do shopping só porque você demorou mais de três horas para achar o vestido certo para o final de semana. Pior ainda com o cinema, levando em conta um filme de 2 horas, você chega 1 hora antes para poder garantir os ingressos e na saída do filme resolve comer alguma coisa por lá mesmo... Já se foram umas cinco ou seis horas do seu dia e 20 reais da sua carteira!
Essa irritabilidade é por preferir gastar esse valor com algo que eu queria e precise mais. Acredito que todos iriam optar por usar esse dinheiro com aquele pedaço de torta holandesa, daquela doceria, também um pouco cara, mas deliciosa (tá, pode ser que alguns discordem com a parte da "torta holandesa").
O que mais intriga é que pagamos (na maior parte das vezes um absurdo), para deixar o carro estacionado enquanto fazemos compras, comemos ou vamos ao cinema, ou seja, enquanto geramos ainda mais lucro para o estabelecimento.
Devemos admitir que teve quem tentou, há uns anos pensavam na lei em que caso fosse consumido no mínimo 10 vezes o valor do estacionamento, o motorista ficaria isento do pagamento. Recentemente voltaram a falar sobre a possibilidade. Não vingou.
A felicidade de hoje foi por escolher shoppings um pouco mais modestos, não piores. O Shopping Continental dispõe de um estacionamento gratuito (bolsão), o Shopping União permite que você fique até duas horas sem cobrar nada, e o Super Shopping Osasco prolonga essa tolerância em até 3 horas. Aí está mais uma das vantagens de frequentar shopping de Osasco.

A propósito, o Shopping Villa Lobos oferece desconto no estacionamento para quem for ao cinema, mas eles raramente (para não dizer nunca) avisam!

23 de mar de 2010

A semana em que todos são juízes

Gabriela Baldan

Todo mundo diz que lembra exatamente o que estava fazendo no dia do atentado ao World Trade Center no fatídico 11 de setembro de 2001. E no 29 de março de 2008? Não. Ninguém se lembra o que estava fazendo quando a notícia de que uma menina de 4 anos havia sido arremessada pela janela do sexto andar de um prédio na zona norte da capital paulista. O famoso “Caso Isabella”! E como se falou dele! Foram dias e dias de destaque na mídia impressa e televisiva. E até no show do Padre Marcelo.

Como sempre, a poeira abaixou e os dois principais suspeitos do crime (o pai e a madrasta) viviam traquilamente enjaulados em presídios no interior de São Paulo. Mas sempre passa um caminhão para levantar a poeira novamente, e parece que reanimá-la traz novos sentimentos e julgamentos ao caso. Todo mundo pode não se lembrar do que estava fazendo quando soube da notícia, mas com certeza lembra de todos os detalhes do episódio.

Nesta segunda-feria (22) começou o julgamento de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, os suspeitos. Esse fato reúne os personagens do tão sabido caso: Ana Carolina Oliveira, a mãe. Antonio Nardoni: o avô paterno. E os vários manifestantes e curiosos que acampam na porta do Fórum de Santana para poderem xingar aqueles que julgaram: o júri popular.

As 7 pessoas do júri (aquelas eleitas para estarem dentro do tribunal julgando o caso) de repente se multiplicam e viram todos. Aonde quer que seja o assunto é o mesmo. No ônibus, no trem, no metrô, na rua, no restaurante por quilo, na roda de amigos, na aula. Todos fazem papel de júri em analisar e julgar os fatos, e quem sabe, chegar a uma conclusão. A única diferença é que a sentença dada por todos nós não é aquela que vai ao final do processo e que decide a soltura ou prisão dos acusados. Ela só mostra o que um país inteiro pensa.

Resta saber se vale a pena a soltura quando a opinião de todos os ouvidos no ônibus, no trem, no metrô, na rua, no restaurante por quilo, na roda de amigos e na aula é a mesma. Porém é só a opinião de todos. Boa sorte ao júri! E aos personagens principais dessa novela; com direito à visita de Glória Perez e tudo. Ela deve se lembrar do que estava fazendo no dia em que viu a notícia.

22 de mar de 2010

A volta do trem

Raphael Victorino

Ê coisa boa, pode ligar a chaminé, que o trem vai partir. Três décadas depois de terem sido eliminados do cenário brasileiro, os trens interurbanos de passageiros voltam a merecer a atenção das autoridades e, se alguns dos planos já anunciados saírem do papel, eles estarão em operação dentro de poucos anos. Não se trata de mero saudosismo. Como em vários outros países, também aqui o transporte ferroviário de passageiros pode ter um importante papel no alívio dos congestionamentos em vias urbanas e nas rodovias e também na desconcentração das atividades econômicas e da população, o que acabará resultando na melhora da qualidade de vida nas grandes cidades.

O governo do Estado de São Paulo, por exemplo, pretende restabelecer o transporte regular de passageiros entre a capital e cidades próximas, como Sorocaba, São José dos Campos, Campinas e a Baixada Santista. Para isso, o governo José Serra assinou decreto, delegando à Secretaria dos Transportes Metropolitanos o encargo de formular políticas para o transporte sobre trilhos além da região metropolitana. O secretário dos Negócios Metropolitanos, José Luiz Portella, garante que, em até dois meses, os técnicos de sua Pasta estarão em condições de apresentar um plano nessa linha.

As novas linhas serão integradas à rede da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), o que facilitará o acesso dos passageiros a diferentes regiões da capital e até de municípios da região metropolitana. Quanto mais passageiros utilizarem o sistema, menos ônibus e automóveis virão de cidades próximas para a capital, o que aliviará o tráfego nas rodovias e na cidade.

O transporte ferroviário interurbano de passageiros teve grande importância no País. Quatro dezenas de pequenas e grandes empresas operaram redes que chegaram a transportar 100 milhões de passageiros em 1960, sem contar o transporte urbano e o suburbano. Por falta de interesse das autoridades e pelos estímulos oferecidos pelo transporte rodoviário, o trem de passageiros ficou praticamente limitado ao transporte urbano (em São Paulo, com o Metrô e a CPTM).

Trens de passageiros de longa distância continuam em operação em países de dimensões continentais, como EUA, Canadá, Rússia, Índia e China, mas, no resto do mundo, o transporte de passageiros por ferrovia passou por transformações, sobretudo, a partir do momento em que empresas privadas passaram a operá-lo. Há, atualmente, uma forte predominância de ligações de média distância.

As ligações ferroviárias chamadas de regionais, com até 200 km de extensão, têm grande demanda e, em geral, não envolvem grandes investimentos na infraestrutura básica e nos sistemas de controle e segurança operacional, pois, em geral, utilizam redes preexistentes. Os maiores investimentos costumam ser nos próprios trens, que devem oferecer aos usuários conforto, segurança e confiabilidade suficientes para fazê-los abandonar ônibus ou automóveis e escolher o trem.

São linhas como essas que o governo de São Paulo pretende restabelecer. No plano federal, o Ministério dos Transportes iniciou estudos de viabilidade econômico-financeira de dezenas de ligações ferroviárias, inclusive no Estado de São Paulo, com o objetivo de selecionar 15 nas quais concentraria recursos, parte dos quais financiados pelo BNDES. O governo federal tem também o plano de construção do trem-bala entre São Paulo e Rio de Janeiro, com extensão até Campinas. Pois é, acho que ligar a chaminé não vai ser uma boa, ao invés disso, que tal apertar o "botão eletrônico", é como se fossemos de um carro manual para um automático.

21 de mar de 2010

Viva o jogo!

Angela Sanchez

"Nossa, esqueci minha comida no forno!" Essa é uma frase que pode se encaixar no cotidiano de qualquer um. Mas atualmente esquecer a comida no forno não necessariamente pode causar um incêndio, isso porque na realidade virtual de um jogo do Facebook, o máximo que acontece é a comida estragar e o jogador arcar com o prejuízo.

Ouvir frases como essa, ou "Pera aí, deixa só eu terminar de colher a minha plantação que eu já vou!", é cada dia mais comum. Frases essas, que misturam ainda mais a vida real com a vida virtual das pessoas, tudo ao mesmo tempo.

Uau, que confusão!

É um fato que o tempo que as pessoas passam na frente do computador só aumenta, e que as redes sociais ocupam boa parte do tempo da maioria dos internautas. Agora, o que realmente está crescendo ultimamente é o tempo que as pessoas passam jogando dentro das redes sociais, como o Orkut, e o já citado, Facebook.

Existem diversos tipos de jogos, buscando agradar todos os gostos. Você pode se tornar um fazendeiro, um mafioso, o dono de um restaurante, de um aquário, enfim as possibilidades são muitas. De "Farmville" a "Cafe Wold", e a "Mafia Wars", e assim a lista continua.



Ok! Jogos na internet também não são nenhuma novidade. Mas nesses jogos você pode "transportar" parte de sua vida para dentro deles. Interagindo com seus amigos que também estejam ligados a essas redes sociais. Ajudando eles, e sendo ajudado por eles também.
Nesses jogos quanto mais amigos melhor, uma vez que eles exigem a interação entre as pessoas da rede social para que elas possam conseguir o necessário para subir de nível mais rápido.

Agora, o mais impressionante é o tempo que as pessoas passam cuidando de suas fazendas, cafés, pet shops, etc. Isso não é difícil de verificar. Se você faz parte do Facebook, por exemplo, preste atenção na quantidade de notícias dos seus amigos em sua página, ou das solicitações deles, não são relacionadas aos jogos.

Muitas pessoas (tenho que admitir que inclusive eu) jogam sem parar, várias vezes ao dia. Esses jogos são muitos divertidos, mas é preciso ter cuidado para não acabar perdendo coisas bem mais divertidas e reais que podem estar acontecendo.

Então, de vez em quando, saia do computador e vá viver a vida real!

18 de mar de 2010

Até onde vão os meios de comunicação?

Gabriella Vareschi de Rosa



Cada dia que passa pessoas comuns procuram pelo auto-estrelismo. Novas ferramentas de comunicação na internet dispõe de vários recursos para você mostrar sua personalidade, muitas vezes utilizadas de forma banalizada pelos usuários.
Agora com o surgimento do ‘’ Formspring’’ que é onde as pessoas falam da sua vida 24 horas para todo o mundo, e querer também saber o que os outros pensam sobre elas, geralmente tratam de assuntos banais, frases tanto clichês que se lê ultimamente que não contribui simplesmente para nada! E cá entre nós como o pessoal que tem isso, tem um tempo danado não?!
Entrem em qualquer um pra ver como funciona. O Formspring é um serviço onde permite você publicar uma caixa de texto onde oferece a possibilidade de outras pessoas lhe fazer perguntas de forma anônima ou não, com a possibilidade da pessoa que recebeu de responder ou não a pergunta.
No entanto podemos perceber que o mundo de hoje vem surgindo idéias novas a cada momento. Primeiro foi a invenção do Facebook, depois quiseram fazer algo parecido, mas aqui no Brasil, e criaram o Orkut. Não contente surgiu o Twitter, no qual hoje é um dos endereços mais clicados no mundo todo.
Claro, eu também possuo algum desses itens, mesmo porque não tem como ficar de fora desse mundo tão tecnológico no meio da comunicação, mas acho que é natural do ser humano querer se destacar na sociedade, o fato é que alguns buscam isso de forma tão forçada
Muitos acham que pondo vídeos no You Tube, ficarão famosos.. assim fosse , acho que o modismo vem tendo espaço demais na mídia.
E fique bem claro que não estou julgando a internet, pelo contrário, eu adoro também. E acho que é a melhor forma de se comunicar, mas existe toda uma futilidade que vai, além disso.

17 de mar de 2010

Bem-vindos ao Século XXI

Paola Guaraná

Confesso que estava só esperando uma oportunidade para poder dar meu palpite sobre esse "mundinho moderno". Não se trata de hipocrisia, de fato eu fico perplexa diante dos comportamentos atuais. Não sou falsa puritana e nem uma fanática religiosa, mas tenho que concordar com meu pai quando ele diz que o mundo esta uma zona. É óbvio que não estou dizendo que a época da minha avó que era boa, nela também existia um extremismo, parece até que exatamente por esse motivo que as pessoas não sabem usar a liberdade que é dada hoje. O mundo mudou, é fato, e as pessoas não estão sabendo lidar com essa mudança, perdeu-se a noção do que é certo ou errado, permitido ou não, curtição ou pouca vergonha. Volto a dizer, não sou santa, mesmo, mas o limite é fundamental!

Mas enfim, desconsiderando o meu final de semana badalado, que vi muitas coisas (acabei de dizer que não sou santa, é lógico que também saio de noite, mas isso não muda absolutamente nada do que já escrevi aqui), nesta segunda (15/03) eu estava rodando pelos canais da televisão e parei para assistir SuperPop. Não tenho o costume de ver esse programa, porém, a Luciana Gimenez e seus convidados estavam discutindo sobre um polêmico ensaio sensual entre mãe e filho, fiquei curiosa!



A mãe é Cristina Mortágua, modelo e capa de oito revistas masculinas, o filho é Alexandre, de 15 anos, fruto de um relacionamento com o jogador de futebol Edmundo. As fotos foram tiradas para a coluna "Retratos da vida" do jornal "Extra". Percebe-se que ambos estão sem blusa, abraçados e cheios de óleo (o que torna a fotografia ainda mais repugnante). A mãe da criança garante que o ensaio é para dar um "empurrão", apresentando o filho que pretende ser modelo.

Além do óbvio, Cristina ainda deu uma infeliz declaração se comparando à Madonna e comparando o filho ao Jesus Luz (NAMORADO de Madonna). "Estou melhor que Madonna, né? Também tenho meu Jesus Luz em casa". Indiscutivelmente a falta de roupa, o óleo e o beijo (pois é, rola até beijo), aparentam uma relação bem diferente da materna.

Pode ser que eu seja antiga e crítica demais, mas não saio por ai me comparando à Helena e dizendo que também tenho meu José Mayer em casa, e olha que meu pai e ele até que se parecem bastante...



16 de mar de 2010

Sabe quem é aquela loira que canta bem?

Gabriela Baldan

Outro dia qualquer conversava com uma amiga sobre a beleza e o talento. Ouvíamos Mind Body and Soul, primeiro cd da cantora inglesa Joss Stone. Será que se ela fosse feia faria tanto sucesso? Então me peguei a procurar na memória exemplos de pessoas que não se encaixam no padrão atual de beleza e que fazem sucesso. Não estritamente no universo da música, mas principalmente no universo da aparição midiática.

Aquele que mais rápido veio à mente foi Mick Jagger, do Rolling Stones. Depois o Slash, do Guns N’Roses (banda esta que fez um show aqui em São Paulo no último sábado, dia 13). Depois o Steven Tyler do Aerosmith. Depois o Tiririca. Depois o Belo. Depois a Susan Boyle. Ronaldinho Gaúcho. Faustão. Amy Winehouse (apesar dos problemas dela serem mais graves).

A partir disso, percebi um padrão. E essa percepção fez com que o fato de ser feio ou bonito se tornasse obsoleto. O artista, ou aquele que aparece na grande mídia vende seu talento, aquilo que o define (é cantor, ou ator, ou apresentador), mais sua aparência. Tanto faz se é bonito ou feio, sério ou divertido. Você pode achar a Susan Boyle feia, mas tem uma voz que surpreendeu a todos. Aparência e talento. O Tiririca tem aquela aparência esdrúxula e as letras mais esdrúxulas ainda. Aparência e “talento”. O Slash combina a incrível habilidade com a guitarra e aquele visual contorcido, cheio de cabelo. Talento e aparência. O Ronaldinho Gaúcho encantou os que acompanham futebol com seus dribles e nem tanto com seus dentes salientes. A Amy Winehouse assusta com sua aparência e com sua voz que desliza tão naturalmente de dentro dela.

Me veio à memória também a Lady Gaga. No caso dela, a aparência se sobressai ao talento. Se veste de modo a tornar-se fora do comum e, ao talento, deixa as constantes repetições de sílabas: quem é que não sabe cantar po-po-po-po-poker face ou pa pa-pa pa razzi?

Surpreendentemente, só me lembrei do Michael Jackson depois de ler um texto de Daniel Piza chamado
Stones & U2 no Brasil, no site do Observatório da Imprensa, no qual ele fala sobre o pop. Tomo a liberdade de reescrever aqui um trecho do quarto parágrafo do texto: “A fama faz lindos os que não são mais que charmosos. Me lembro de uma tira de quadrinhos de Angeli em que o personagem Walter Ego acorda, se olha no espelho e se acha feio. ‘Feio como quem?’, pergunta. ‘Feio... como o Mick Jagger!’ Até para ser feio é preciso ser especialmente feio".

Deu pra entender? Há um conjunto inseparável na hora de exibir-se ao mundo. Não basta só ser feio ou belo ou só ter algo legal pra mostrar que sabe fazer. O Mick Jagger é famoso por que tem aquele fenótipo peculiar (belo eufemismo!) e fez história como vocalista dos Rolling Stones. As pessoas sempre serão aquelas que possuem aquela característica física e que sabem fazer tal coisa. E isso vai além dos famosos. Cada um tem o seu conjunto de talento e aparência que deixa aparecer aos outros. O Faustão é aquele apresentador gordinho (ou era) que não deixa ninguém falar. O Ronaldo é aquele dentuço que joga bem. E não vou mais dar exemplos. Pense em qualquer pessoa e faça esse exercício. Vai dar certo!

15 de mar de 2010

Raphael Victorino


Pois é boleiros e peladeiros do nosso Brasil, em véspera de Copa do Mundo, o "futebol" brasileiro inventando mais uma para facilitar ou não nossas vidas.

Esta em trâmite na Câmara dos deputados de São Paulo, um projeto de lei que prevê que jogos de futebol realizados na cidade de São Paulo não terminem após as 23:10. O intuito do projeto de lei é facilitar a volta dos espectadores do jogo à suas casas. Hoje, alguns jogos têm início às 22:00 horas, terminando além da meia-noite, sendo que, neste horário o metrô já fecha suas atividades assim como algumas linhas de ônibus. Sim eu concordo com você leitor que por esse lado é claro que isso se torna lógico, pois nenhuma família que não tenha veiculo próprio, por exemplo ao garoto que decidi ir ao um jogo dependendo do transporte publico, acho eu que qualquer mãe que se preze ficaria um tanto quando preocupada.

Por outro lado, esta lei prejudica as emissoras de televisão que detêm o direito de transmissão dos jogos. A rede Globo, impõe que o jogo por ela transmitido na quarta-feira, seja a partir das 21:45, horário depois de sua principal novela. Caso a lei seja aprovada, a emissora terá que mudar sua grade de programação para poder transmitir o jogo. Há também a questão dos clubes, cuja maior fonte de renda é justamente a televisão. Ou seja, se a rede Globo e Bandeirantes decidem não transmitir os jogos, os clubes praticamente irão à falência. Há ainda uma questão como o trânsito será afetado em torno dos estádios, pelo horário mais cedo das partidas.

É torcedores e apreciadores do futebol, de alguma forma esta nova lei ira prejudicar a algum lado, se é que existe lado nesse historia. E como tudo na vida tende para o lado mais forte, no caso as emissoras, é e agora eu pergunto para vocês leitores do “Uma Pitada de Opinião”, quem ficara do nosso lado? Qual dos horários você prefere?

A Semana do Verde!





Angela Sanchez


O que a cor verde, o trevo e um duende (leprechaun) tem em comum? Esses são três dos símbolos do tradicional Saint Patrick's Day (dia de São Patrício). Esse feriado, não tão conhecido no Brasil, é muito celebrado na Irlanda e nos países com comunidades de descendentes irlandeses, como os EUA.




A data do feriado é dia 17 de março, o dia do aniversário da morte de São Patrício no século X, mas as comemorações começam no sábado anterior e duram o restante da semana. Entre tradições da data estão: pratos tradicionais irlandeses, desfiles, festas, e usar verde!




Este feriado, originalmente católico, passou a pertencer a novas culturas e assim foi adquirindo novos símbolos. Uma das histórias diz que Saint Patrick foi quem, com apenas um cajado, expulsou todas as serpentes da Irlanda.




O trevo também veio depois. Era uma planta considerada sagrada na antiga Irlanda, pelos Celtas, e posteriormente se tornou o símbolo do nacionalismo irlandês. Já o famoso leprechaun (duende) veio em 1959, de um filme de Walt Disney, Darby O'Gill & the Little People. Esta versão americana do leprechaun se tornou um dos mais reconhecidos símbolos, tanto do Saint Patrick's Day, como da Irlanda.




Nos EUA, são tradicionais os desfiles realizados em cidades como Nova York, Boston, Chicago, Philadelphia e Savannah. Famosa por seu desfile, Chicago realmente chama atenção nesta data pela tradição mantida desde o começo dos anos 60, a de colorir de ver o rio que dá nome a cidade. No início, o rio ficava verde por cerca de uma semana, mas agora, o composto vegetal usado para o tingir dura apenas algumas horas. Mas mesmo assim, o evento atrai milhares de expectadores, entre moradores da cidade e turistas. Para ver como é feito é só clicar aqui.


Em 17 de março de 2009, a primeira-dama americana Michelle Obama inovou ao se inspirar no rio Chicago, para celebrar o dia do padroeiro da Irlanda. O resultado: as fontes da Casa Branca foram tingidas de verde pela primeira vez, e viraram manchete.

Então prepare sua roupa verde e comemore o Saint Patrick's Day. E um aviso: para quem não usar verde tem um castigo que é tradicional: levar um beliscão!









11 de mar de 2010

Esse é o ano DELAS!



Gabriella Vareschi de Rosa





Este ano fez 100 anos que se comemora o dia internacional da mulher. Muitos acham que é um dia comum, e que não passa de uma ‘’bobeira’’. Mas não. Nós mulheres estamos em um processo permanente de crescimento sobre a igualdade entre homens e mulheres. No entanto nesse dia devemos celebrar as conquistas e vitórias já alcançadas pela luta feminista, e saber o lugar que as ocupam na sociedade.
E como sabemos a mulher além do seu trabalho que hoje em dia a grande maioria possui um, por buscar sua independência, são responsáveis por uma atividade de importância crucial, o trabalho do cuidado e da reprodução das famílias. Porque querendo ou não o trabalho doméstico é uma grande ocupação na vida das mulheres.
No mundo das celebridades que é onde conseguimos ver um pouco do quanto isso vem mudando, esse ano já começou com as mulheres se sobressaindo.
Um exemplo disso, foi no Oscar de 2010 que pela primeira vem em 82 anos de Oscar a primeira mulher venceu na categoria de Melhor Direção com seu filme Guerra ao Terror. Muito bom não?!
No mundo musical o sexo feminino vem bom bando. O sucesso de Beyoncé aqui no Brasil foi disparado. Lady Gaga, uma cantora que muitos nem apostavam hoje está no auge e suas músicas são as mais tocadas. A presença de Madonna, Paris Hilton, e Nicole Scherzinger ( integrante do grupo Pusscatdolls) no Carnaval do Rio de Janeiro, também causou uma loucura.



“É um dia importantíssimo e a cada ano vamos conquistando mais espaço dentro da sociedade. Mulher é tudo e o universo não seria nada se não fosse a gente”, Disse a cantora Preta Gil, que defende com unhas e dentes o dia da Mulher.


Portanto é muito importante ter respeito por si próprio mulherada, e poder se enxergar e se perceber, além de exigir respeito dos outros, é claro!

10 de mar de 2010

INAUGURAÇÃO

Paola Guaraná

Acredito que todo relacionamento comece com uma apresentação (pelo menos os mais tradicionais), e aqui não seria diferente.
É justo que vocês, leitores, saibam quem escreve e com quem concordam e discordam. Somos cinco estudantes de jornalismo e optamos por um blog totalmente liberal, aqui tudo se fala, tudo se critica, tudo se comenta, tudo se OPINA! De situações particulares do cotidiano a matérias de primeira página de todos os jornais.
E isso por acreditarmos que jornalismo é exatamente essa vontade de falar e escrever sobre tudo aquilo que nos intriga e chama atenção.
Sejam vem-vindos!