30 de mai de 2010

Um ponto de chegada, um lugar de memórias



crédito foto: Wikimedia

Angela Sanchez

O Memorial do Imigrante, um dos mais importantes pontos históricos e culturais da Zona Leste, preserva parte da mistura de origens que forma o brasileiro.
O grande prédio que hoje recebe visitantes, na Rua Visconde de Parnaíba, na Mooca, em seus primeiros momentos de existência tinha a função de receber os imigrantes que chegavam do porto de Santos à São Paulo. A Hospedaria dos Imigrantes começou a ser construída em 1886, já recebendo os primeiros imigrantes no ano seguinte, ainda inacabada, e sua construção foi concluída em 1888. Ao longo dos anos o prédio sofreu alterações em sua arquitetura, entretanto, seu projeto original de Antonio Martins Haussler, construído em forma de “E”, tinha capacidade de abrigar mais de mil imigrantes.
A Hospedaria, em geral, abrigava os imigrantes por um período de oito dias, que era o suficiente para que eles acertassem seus contratos de trabalho. A hospedagem, refeições e serviços médicos eram gratuitos. Em 1978, a Hospedaria recebeu seu último grupo de imigrantes, e em 1982, o conjunto arquitetônico foi tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (CONDEPHAAT). Quatro anos após é criado o Centro Histórico do Imigrante. E, finalmente, em 1998, é criado o atual Memorial do Imigrante.
O Memorial do Imigrante é um ponto de encontro para imigrantes e seus descendentes. Um atrativo para seus visitantes são as exposições permanentes e temporárias. Entre as permanentes estão a Fazendinha de Café e Casa do Colono, o Espaço Ecumênico Exposição: Café e Imigrantes, e a Sala da Navegação. Estas exposições apresentam um pouco da história do lugar e das pessoas que passaram por ali. O Memorial possui um grande acervo histórico com, fotografias, objetos e documentos; além de uma biblioteca.
Hoje, é possível pesquisar o acervo do museu para encontrar os registros de chegada e saída dos imigrantes, basta ter os dados da pessoa para usar um dos terminais de consulta disponíveis no museu. A professora Marcia Rosely, pesquisou e achou antepassado. “Meu avô Matheus veio da Itália ainda menino e a gente não sabia nada muito bem sobre isso, procurei ele, só por curiosidade, e fiquei muito feliz quando eu achei. É bom a gente poder aprender mais sobre as pessoas que deram origem à nossa família, e aprender mais sobre aquelas pessoas especiais que já não estão mais aqui”, declara ela.
Para celebrar a mistura de origens que compõe a cultura brasileira, todo ano há um evento, que no ano passado chegou a sua 14ª edição, a Festa do Imigrante. Geralmente realizada em dois finais de semana, o objetivo da festa é mostrar a diversidade de culturas e as características de cada país. São feitas apresentações de danças e manifestações culturais características de cada país, além das tradicionais barracas de comidas típicas.
A festa já tem um público fiel. “Ano passado foi a terceira vez que eu fui na festa. Eu adoro. É muito alegre e a gente se diverte bastante. É interessante ver as danças e as pessoas vestidas com roupas típicas. Isso além das comidas, tem tanta opção que eu nunca sei o que escolher” diz Rosa Maria.

Memorial do Imigrante - Rua Visconde de Parnaíba, 1316, Mooca - São Paulo - SP
Tel.: (11) 2692.1866
Ingressos: R$ 4,00 a inteira (entrada gratuita no último sábado do mês)
Aberto: De terça a domingo (inclusive aos feriados).
Horário: 10h às 17h

Nenhum comentário: